Sobre ser usada

Faltam 26 dias para 2 aninhos e me peguei pensando nas inúmeras transformações que aconteceram no segundo ano de vida de Filipe. Transformações nele que vive a linda transição de bebê para menino e, talvez, muito maiores em mim.
Hoje compartilho uma reflexão de quando ele tinha 1 ano e 1 mês, mas que permanece até hoje.
Publicado no Facebook em 03 de outubro de 2014
“Faz 20 dias que Filipe parou de tomar leite materno no copinho à tarde. Ao invés disso, come um lanchinho mais consistente, com uma fonte de carboidrato.
Desde então, algumas coisas mudaram e uma delas foi que, ao chegar do trabalho, não tenho mais um bebê fazendo festa pra mim na porta de casa, mas um garotinho que mal me vê e já começa a apontar para o sofá, resmungar e franzir a testa, como quem dá uma ordem para que eu me assente e o amamente.
Dias desses comentei com minha mãe que me sentia usada, que ele só demonstrava carinho depois que a barriga estava cheia e que a impressão que eu tinha é que não passava de um par de peitos 😦
Essas palavras não saíram da minha cabeça “sinto-me usada, usada…”
No domingo, voltando pra casa, elas voltaram a ecoar e senti Deus ministrar ao meu coração:
Trabalho com aconselhamento na igreja e uma das frases que mais ouço é: estou sofrendo porque me dediquei anos a esse casamento, a essa pessoa, a esse emprego, a esse ministério e hoje percebo que fui usada e nada do que fiz foi reconhecido.
A verdade é que não somos usados, nos dedicamos a alguém ou a alguma causa por acreditarmos nisso. Nos entregamos por inteiro porque é assim que as as melhores relações da nossa vida acontecem: com intensidade. E o fato de não ter dado certo, seja por que motivos forem, não significa que não fomos reconhecidos, ou que não valeu a pena.
Sempre vale a pena fazer o que se acredita, dedicar-se a alguém sem esperar nada em troca, amar o amor do tipo de Deus.
Não, não estou sendo usada. Eu escolhi amamentar um bebê de mais de 1 ano porque acredito no valor nutricional do meu leite e na importância emocional do ato de amamentar e, ainda que o sorriso só venha depois da barriga cheia, ele sempre vem e meu coração se derrete de amores por esse bezerrinho que agora tem os cabelos dourados.
“O amor é paciente, o amor é bondoso. Não inveja, não se vangloria, não se orgulha. Não maltrata, não procura seus interesses, não se ira facilmente, não guarda rancor. O amor não se alegra com a injustiça, mas se alegra com a verdade. Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. As profecias desaparecerão, as línguas cessarão, o conhecimento passará, mas o amor nunca perece.”
filipe 1 ano com marca
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s