Amamentar grávida – mais um dos tabus da amamentação

A SMAM 2015 (Semana Mundial de Aleitamento Materno) tem como tema:

Amamentar e trabalhar: para dar certo o compromisso é de todos!

Depois de uma série de reposts sobre o assunto (veja aqui a séria Amamentar e trabalhar parte I, II, III, IV e V), hoje escrevo sobre uma outra possibilidade de amamentação que precisa ser respeitada por todos: a lactogestação, que é amamentar uma criança maior enquanto se gesta um outro bebê.

DSC03977

mamando depois de um dia de trabalho

Quando decidi tentar um segundo filho com uma diferença de idade de cerca de dois anos em relação a Filipe, a manutenção da amamentação foi um dos assuntos em pauta aqui em casa. Filipe tinha acabado de completar 1 ano quando começamos a planejar uma nova gestação e, como qualquer bebê nessa idade em aleitamento materno, ele mamava bastante, especialmente nas madrugadas.

Seria seguro para o bebê em formação? Meu corpo daria conta dessa demanda? Faria bem para Filipe? Essas eram as perguntas que tinha em mente e, as únicas respostas que conhecia eram as do senso comum, de que não se pode amamentar grávida, entre outras coisas, porque:

  • Provoca aborto;
  • Faltam nutrientes para o bebê em formação;
  • O leite fica ruim;
  • Causa diarreia no filho mais velho;
  • Falta colostro para o bebê que nasce;
  • Causa rivalidade entre os irmãos por terem que dividir o peito.

Como não sou da turma que se conforma com respostas sem fundamento, corri atrás de evidências que me ajudassem a decidir por manter o aleitamento e adiar a gestação ou manter a ideia da gestação estando segura de que pudesse seguir amamentando. Desmamar antes dos dois anos não estava nos meus planos, a não ser que o desmame partisse do próprio Filipe.

Para minha não surpresa, fui descobrindo, pouco a pouco, que esse é mais um dos mitos que envolvem a amamentação. Vamos desconstruí-lo juntos?

Provoca aborto

Muitos obstetras recomendam a suspensão do aleitamento materno quando a gestação é constata com a justificativa de que a amamentação provoca contrações uterinas que poderiam levar a um aborto, especialmente no primeiro trimestre de gestação por estimular a produção de ocitocina, o conhecido hormônio do amor.

Sim, é verdade que a amamentação aumenta a produção de ocitocina e que essa causa contrações uterinas, mas também é verdade que uma relação sexual produz os mesmos efeitos e não se costuma ver obstetra recomendando abstinência sexual por risco de aborto a não ser que haja uma intercorrência diagnosticada no início da gestação que também exigirá repouso absoluto. Percebe que a questão é muito mais cultural que fisiológica?

Minha experiência foi a de muuuuuuuuuitas contrações após as mamadas no primeiro trimestre. Contrações do tipo formigamento de cólica menstrual. Duravam cerca de 40/60 minutos após as mamadas e, no início me assustaram um pouco, mas a segurança transmitida pela obstetra que me acompanha e pelos exames constatando uma gestação de risco habitual, sem intercorrências, com um embrião bem implantado me permitiram continuar sem mais receios.

Faltam nutrientes para o bebê em formação

Em relação à nutrição da gesto-lactante o que acontece é uma demanda maior de calorias. A ingesta dessa mulher deve ser suficiente para manter seu metabolismo, a produção de leite para o filho lactente e a nutrição do bebê em gestação. Isso dá uma média de 2.800kcal/dia. Cerca de 800 a mais que uma dieta normal. Mas não é necessário se preocupar em contar as calorias, basta atender ao chamado do estômago!!!! Confesso que nunca em minha vida senti tanta fome e comi tanto quanto nos últimos 9 meses! Pense num triturador: eu!

Os cuidados que tive foram:

  • ingerir alimentos saudáveis substituindo os de baixa caloria como melancia, melão, maçã, pepinho, etc por alimentos com potencial nutricional maior, como banana, pinha, abacate e alimentos ricos em carboidratos complexos, como batata doce, mandioca (aipim/macaxeira), inhame, banana da terra e cereais integrais;
  • diminuir o intervalo entre as refeições pra cerca de 2 horas, mas essa é uma medida boa para qualquer gestante, especialmente no terceiro trimestre, quando o estômago está pressionado pelo volume do útero;
  • incluir na minha dieta lanches mais ‘fortes”, como mingaus, cuscuz, batidas de frutas com cereais, no lugar de uma xícara de chá e cookies ou uma fruta sozinha como tinha costume de fazer antes.

Foram medidas simples que me ajudaram a recuperar parte do peso perdido na amamentação e manter um ganho de peso satisfatório e com saúde durante a gestação.

O leite fica ruim

DSC03938

mamando pra “chamar o sono”

Ruim é um conceito muito relativo. Ruim como? Prejudicial à saúde ou com gosto diferente? O que acontece com o leite materno produzido por uma mulher em gestação é que ele vai, com o passar do tempo, transformando-se no tão precioso colostro. E sim, o colostro tem outra aparência, mais viscosa e amarelada, e outro sabor, mas é rico em nutrientes e saudável para o consumo do bebê. Mal à saúde não faz e acredito que o maior expert pra dizer se o sabor é bom ou não é o bebê que mama.

Muitas crianças desmamam naturalmente quando a mãe engravida, mas não acho que seja apenas uma questão de mudança de sabor, mas de quantidade. Por volta do segundo, terceiro trimestre de gestação a produção de leite cai muito para dar lugar à de colostro e, algumas crianças não insistem nas mamadas porque fica um pouco mais difícil extrair o leite da mama.

Causa diarreia no filho mais velho

Essa é a justificativa clássica do pessoal antigo. Minha vovozinha, quando soube que Filipe não tinha desmamado, ficou preocupadíssima com a possibilidade dele ter disenteria.

O que pode acontecer com qualquer criança que consome leite materno é a manutenção de fezes mais moles, mas isso não tem a ver com o fato da mãe estar grávida, mas com a ingestão do leite materno.

Falta colostro para o bebê que nasce

Colostro é o tipo de leite produzido até o 3°/5° dia do nascimento, antes da descida do leite maduro. É altamente nutritivo e importantíssimo para imunização do bebê que nasce. O fato de haver um irmão mais velho mamando não impedirá que o recém-nascido desfrute dos benefícios do colostro. A produção de leite materno (colostro e leite maduro) ocorre conforme a demanda. Mães de gêmeos produzem mais leite porque a demanda é maior. A mesma coisa acontece com mães que amamentam dois em idades diferentes, ou seja, tem pra todo mundo!

Causa rivalidade entre os irmãos por terem que dividir o peito

Bem, essa história de rivalidade e ciúmes merece um post a parte, mas não, dividir o peito costuma aproximar irmãos ao invés de afastá-los. É sempre bom lembrar que o bebê que nasce tem prioridade na amamentação, uma vez que ela é sua fonte exclusiva de nutrição, enquanto o filho maior tem uma dieta mais variada. Acontece que amamentação não é apenas nutrição, mas vínculo e se, o filho mais velho ainda demanda esse vínculo, não há porque negar isso a ele.

Resumindo

ivina-9946

mamando no chá de bênçãos

Se não houver uma contraindicação real para interrupção da amamentação, a decisão de manter ou não o aleitamento do filho maior durante uma nova gestação deve ser da mãe.

Eu confesso que não é fácil. A sensibilidade nos mamilos no primeiro trimestre é apenas um dos desafios. Muitas mulheres relatam uma angústia ao amamentar gestando e, como o avançar da gestação, encontrar posições confortáveis para oferecer o peito também vai ficando mais difícil.

Por isso é preciso ter tranquilidade para reconhecer limites e seguir um caminho que seja agradável para a mãe e suave para a criança, pensando em formas de desmame gentis sem culpa quando o desejo materno for interromper a amamentação.

Mas se o desejo for o de seguir amamentando, é preciso que ele seja respeitado sem terrorismo ou pressões infundadas.

Por aqui seguimos mAMANDO. Filipe não parece se importar com a diminuição da produção e a alteração de leite para colostro. Diz que o “leitinho é totoso e delícia” e que, inclusive, serve para “melhorar alguma dor” (veja nesse vídeo aqui).

É ele quem, sabiamente, sugere posições alternativas quando demonstro algum desconforto:

lactogestação

mamando em pé no sofá

mamãe, em pé no ofá” – eu fico em pé em frente ao sofá e ele, também em pé, alcança o peito ou se assenta no braço do sofá;

mamãe, a bola, mamar em pé” – trazendo a bola de pilates pra que eu me assente nela e ele mame em pé.

mamãe, deitada, avisseiro a barriga” – colocando um travesseiro embaixo da minha barriga para que eu o amamente deitada na cama.

Enfim, como será quando o bebê nascer eu não sei. Imagino que Filipe queira mamar mais, até porque estarei de licença maternidade dando “sopa” em casa, mas estou disposta a seguir amamentando enquanto for bom pra todos nós e contando com o apoio e respeito da minha família em relação a essa decisão.

 

Editado em janeiro de 2017 – Quando escrevi esse texto conhecia apenas a teoria sobre tandem e algumas experiências de conhecidas que praticavam a amamentação de crianças em idades diferentes. Depois do nascimento de João, minha percepção sobre o assunto mudou bastante. Levei meses para digerir a frustração e conseguir escrever sobre o assunto. Sugiro a leitura de Amamentação em Tandem onde partilho minha experiência na intenção de dar a você, querida (0) leitora (o), os dois pontos de vista sobre o mesmo assunto e ajudá-lo a construir o seu melhor caminho de maternagem e de respeito à maternagem de outras mulheres.

Anúncios

15 comentários sobre “Amamentar grávida – mais um dos tabus da amamentação

  1. Maravilhoso exemplo do amor de uma mãe, que ama os seus dois bebês. Parabéns mamãe, pelas as suas postagens e explicações a respeito deste Tabus você realmente, nos mostram que não basta ser só uma mãe, tem que participar. Parabéns Mamãe !!!

    Curtir

  2. Tenho uma bebé de 7 meses e estou gravida de 1 mês a minha filha esta perdendo peso e fazendo coco varia vezes estou preocupada, ela nao pode tomar leite pois tem tolerância a lactose oque vou fazer me ajude sera que devo continuar amamentando?

    Curtir

    • Oi Sara. Um dos mitos de amamentar grávida é exatamente esse, de que o leite passa a fazer mal para a criança, causando diarréia e outros desconfortos gastro-intestinais.
      Não há nenhuma evidência de que isso seja relacionado ao leite materno. O que ocorre sim, é que o leite muda de gosto e de textura durante a gestação, além de haver queda da produção, mas é só.
      Perda de peso e a diarreia podem estar relacionadas a outras questões, como viroses ou a própria intolerância à lactose.
      Eu ainda não contei minha experiência, mas achei amamentar dois em idades diferentes a coisa mais louca que já fiz na vida por causa da demanda intensa dos dois. Não repetiria isso, a não ser que engravidasse com João ainda tá bebê, que é o seu caso.
      Um bebê de 7 meses depende muito da amamentação, não só pela nutrição, mas também pelo vínculo. Não consigo imaginar a condução de um desmame respeitoso nessa idade.

      Curtir

  3. Muito lúcido seu relato, adorei! Aqui passamos pelos mesmos questionamentos quando decidimos engatar uma nova gestação com a primeira filhota ainda mamando, e engravidei quando ela tinha 1 ano e 1 mês. Hoje completo 31 semanas e seguimos mAMANDO, como vc bem disse! Tenho certeza de que, ao contrário de ciúmes, compartilhar as mamadas será benéfico pra relação das duas. No começo senti muita sensibilidade nos seios e entre o primeiro e o segundo trimestres uma certa angústia durante as mamadas, mas agora tudo está mais tranquilo e só amamento deitada com ela porque é assim que ela gosta de dormir.
    Deu certo continuar amamentando em tandem pra vc?

    Curtir

    • Karina!!! A essa altura vc já deve estar com dois! Perdão pela ausência. É que os passos precisaram desacelerar nos últimos meses.
      Confesso que devo um post sobre tanden (amamentação de dois).
      A experiência não foi tão boa quanto a expectativa, mas me amadureceu bastante e me deu segurança pra conduzir o desmame do mais velho.
      Espero que as coisas estejam bem com vcs 😘

      Curtir

  4. Parabéns! Seu artigo me trouxe paz…
    Estava totalmente inquieta com essa situação, estou grávida de 4 meses e tenho uma filha de 2 anos. Tentei por algumas vezes fazer o desmame, sem sucesso e na verdade foi traumático, pra mim e pra ela, acho que não é só ela que não está pronta pra desmamar, eu também não estou.
    Seu artigo me ajudou a decidir seguir amamentando e isso me traz muita alegria.
    Obrigada pelo seu depoimento e parabéns!

    Curtir

    • Oi Rosana,
      Estou devendo um post sobre minha experiência amamentado dois. A verdade é que ela não foi muito boa quanto a expectativa. Hoje não repetiria a experiência. O desgaste físico é inexplicável e o emocional tb foi pesado.
      Ainda assim, acho super importante que a escolha seja da mãe e não de outras pessoas.
      Assim que der escrevo sobre tanden (amamentar dois em idades diferentes).
      Boa sorte pra vcs 😘

      Curtir

  5. Não se assustem Mamãs
    Sou mãe de 3 filhotes, 4 e 3 anos, 8 meses.
    Todos mamam
    Quando engravidei a segunda vez, soube-o porque a Carlota, com 6 meses, deixou de gostar do leitinho. Fiz teste e estava gravida. Fiz ecografia e estava já de 4 meses.
    Interrompi a amamentação da mais velha, com muita pena, minha. Quando o Tiago nasceu a Carlota voltou a querer mamoca e a gostar. Mamam até hoje. Já veio o Tomás com 8 meses e ainda mama.
    Na 3ª gravidez até porque já eram grandinhos não interrompi as brincadeiras com as mamocas. Fui rastreando e rasteava também quando o bebe era mais pequenino e só mamava (até aos 6 meses) O Tomás nasceu com 3,880 gr e 51 cm. Prejudicado? Não me parece. Vou amamentar até que eles queiram.: é um momento tão nosso. Primeiro o Bébé. sempre.
    Depois eles próprios se organizam. Os dois ao mesmo tempo? Sim. Uma hora de mamoca de fora? Sim. Mama em sítios públicos, sempre que possa não, pelo menos aos mais velhos e ao bébe sempre que possível também não. Por mais que nãos eja há sempre o carro por perto. E não é por vergonha mas sim porque. è um momento de intimidade e só nosso. Os mais velhos já sabem que não pode ser: O meu espanto é como tenho tanto leitinho. Mas também com tanto estimulo, não é de admirar. Estou há 4 anos em processo de amamentação. Em dias normais de trabalho e quando os vou buscar estou ansiosa que o bebe mame. Depois vêem os mais velhos aos “restos” e acreditem que me sinto muito aliviada. O caso de hoje. É segunda feira, a seguir ao fim semana, muita maminha no fim semana. Hoje isto está a precisar de esvasiar mesmo. flata pouco
    Quando nasceu a Carlota, o processo de amamentação iniciou-se normalmente, mas com muitas dores, desespero e angustia.. Foi assim quasde até às 6 semanas. Algumas vezes pensei em desistir, mas o Pai?…. Hoje nem sei como pensei nisso….
    Em Março abrir-se-á porta para o 4º filho/a . Corro o risco de amamentar 4. Mas é um desafio que me apetece correr. Ontem testemunhei, casualmente, num blog a minha experiência. Hoje também casualmente aparece este. Vou pensar em criar também um blog para tentar ajudar , ser mulher, ser esposa, ser mãe e por aí fora. A troca de testemunhos é uma grande aprendizagem de vida.
    Amanetar até quando? Até que eles queiram, até que haja leitinho. Chamenm os V/companheiros para aprtilharesm este momento. Os meus filhos gostam, o pai adora e eu amo amamentar.
    Boa sorte
    Amamentem e desfrutem

    Curtir

    • Paula, obrigada por compartilhar sua experiência! Que legal saber que deu e dá certo pra você.
      A minha vivência de tandem não foi tão boa e não pretendo repetir, mas é muito válido ouvirmos outros relatos. Acho isso importantíssimo para que cada mãe, conforme sua disponibilidade e vontade, tome as decisões que achar melhor em sua maternagem!

      Curtir

  6. Chorando ao ler sua história… Que atitude mais linda! Isso é ser Mãe, se doar para a construção do verdadeiro amor!
    Abstrair os comentários desnecessários e sem embasamento científicos, é a melhor forma de viver em paz…
    Parabéns! Felicidades pra vocês!

    Curtido por 1 pessoa

      • Olá, li sim, e me identifico nessa sua experiência também. Estou de 3 meses e 1 semana de gestação, então está sendo fácil amamentar a minha filhota de 2 aninhos. Ela não quer desmamar, bem que tentei por causa da minha exaustão, mas não consegui. Não tenho ninguém para me ajudar nas tarefas diárias de casa, conto apenas com meu marido e Deus. Aplaudo a Mãe que tira de letra amamentar dois filhos. É lindo, e gera um vínculo pra toda vida. Sabemos que não é nada fácil! Vou levando, e ver até onde conseguirei. Abraço 😉

        Curtido por 1 pessoa

  7. Estou grávida de 28 semanas e meu bebê tem 1 ano e 9 meses e bem pensei em tirar o peito dele, mesmo o médico orientando isso, tenho 2 tias que alimentaram grávidas e tdo deu certo…

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s