Quando as 42 semanas bateram na minha porta

Desde que adentrei o universo da humanização do parto tenho acompanhado o drama de algumas mulheres que passam das 41 semanas gestacionais e vêem seus sonhos de um parto natural cada vez mais ameaçados. Algumas por conta dos protocolos de casas de parto, outras por esbarrarem nos limites dos profissionais assistentes.

Sempre levantei a bandeira da conduta expectante com monitoramento do bebê, ou seja, aguardar o início espontâneo do trabalho de parto enquanto o bebê der sinais de estar bem. Mas eu nunca, nem de longe, imaginei o quão difícil essa espera pode ser.

Filipe nasceu às 41 semanas e 1 dia de gestação. Não deu tempo de ficar ansiosa. A segunda gestação foi diferente. Eu tinha duas datas prováveis de parto (DPP’s): 18/08, calculada pela data da última menstruação (DUM) e 25/08 pela minha tabelinha de ovulação, com uma semana à mais. Tinha duas ultrassonografias das primeiras 8 semanas, cada uma confirmando uma das datas.

Com essas duas DPP’s em mãos, fiz as contas de 42 semanas pela mais tardia. Assim, o bebê 2 era esperado pra Setembro e era o que respondia a todos que me perguntavam. Não contei as semanas durante toda a gestação porque não queria mentir quando fosse indagada. Então, quando respondia: “não sei com quantas semanas estou” eu, de fato, não sabia.

Mas Agosto chegou e com ele a necessidade de deixar a casa preparada para um parto domiciliar. Separar as coisas e conviver com as “caixas do parto” na sala de casa durante todo o mês fizeram surgir uma pontinha de ansiedade.

Meu marido precisou viajar quando eu estava com 39 semanas e passou os dias que antecederam a viagem dizendo que o bebê nasceria antes. Isso gerou mais um pouquinho de inquietação.

O ritual de arrumar a casa toda noite desde a 38ª semana também foi tensionando a todos.

Enfim, passei 5 semanas, 35 dias, indo dormir como se toda noite fosse “a noite”.

Isso tudo fez com que a tranquilidade e o desprendimento cultivados durante a gestação fossem diminuindo e as 41 semanas chegaram pela data da DUM sem que nenhum sinal externo de que as coisas estivessem acontecendo se apresentasse.

Por protocolo, começamos um monitoramento mais atento: ultrassonografias, cardiotocografia e consultas de pré-natal menos espaçadas. Tudo bem com o bebê e comigo, mas nada tranquilo na cabeça.

Veio a super lua e com ela uma esperança. Dale chá de Naoli, caminhadas noturnas, acupuntura e nada. Nem pródromos (contrações de treinamento), nem sensação nenhuma. E as manhãs vinham carregadas de um sentimento de desapontamento: mais um noite e nada (eu jurava que ia parir de madrugada!).

A sensação de que ficaria grávida pra sempre me consumia. Cansaço, peso, ansiedade. Virou tudo uma bigorna sobre minha cabeça.

No domingo, às 41 semanas e 5 dias fui à igreja. Os olhares com letreiro de “mas ainda não nasceu?” foram muitos, mas participar do culto, cantar, dançar e ouvir a pregação me deram ânimo e descanso. Saí de lá determinada a aproveitar cada dia de barriga com mais leveza.

Durante a semana mais uma ultra, mais um cardio. Desisti da acupuntura, abandonei o chá. Acordava com um sorriso voltado para a barriga lembrando-me do trecho bíblico de Lamentações de Jeremias 3:21 a 26

“Torno a trazer isso à mente, portanto tenho esperança.
A benignidade do Senhor jamais acaba, as suas misericórdias não têm fim;
renovam-se cada manhã. Grande é a tua fidelidade.
A minha porção é o Senhor, diz a minha alma; portanto esperarei nele.
Bom é o Senhor para os que esperam por ele, para a alma que o busca.
Bom é ter esperança, e aguardar em silêncio a salvação do Senhor.”

Sentia Filipe acariciar e beijar minha barriga conversando com “mi imão”. Agradecia por ter uma equipe que respeitava o tempo do bebê e assim mais um dia se passava.

Com 42 semanas e um dia fiz mais uma cardiotocografia. Conversei com a obstetra sobre as possibilidades de indução, os riscos de esperar, as duas datas de parto, as duas ultrassons. Lemos o termo de responsabilidade sobre gestação prolongada e decidimos, meu marido e eu, aguardar mais um pouco. Dispensei o descolamento de membranas que me foi oferecido e desmarquei a acupuntura que tinha agendada.

Eu havia acreditado na minha data de parto de ovulação durante toda a gestação. Eu conheço meu corpo, sei quando estou ovulando, sei até de que ovário ovulei. Não havia motivos para me boicotar naquele momento.

Fui pra casa, almocei e coloquei Filipe pra dormir. Peguei a chave do carro e fui arrumar minha sobrancelha. Sim, uma gestante de 42 semanas motorizada! Na volta, um sol lindo. Vesti meu maiô que quase não entrava e desci com Filipe para a piscina do condomínio. Carreguei-o no colo como há muito não fazia. Nadei, ri, brinquei. Boiei imaginando a sensação do bebê dentro de mim enquanto a água me levava.

piscina 42 semanas

Subi sentindo contrações e a madrugada me trouxe boas novas, mas aí é assunto pra outro post…

O que quero dividir aqui, muito mais que minha experiência pessoal, é a importância de ser acompanhada por uma equipe de assistência ao parto que trabalhe a partir de evidências científicas. Já falei sobre o tempo de duração de uma gestação em Ainda não nasceu? Afinal, quanto tempo dura uma gestação? A data provável de parto, às 40 semanas, não é uma data limite! Uma gestação bem acompanhada pode chegar ou ultrapassar as 42 semanas. Sim, há riscos, mas eles existem em qualquer momento da gestação. É uma questão de mensurar que riscos são esses e avaliar se eles cabem dentro dos seus limites de aceitação.

Esperar o tempo do bebê é um trabalho de parceria entre o obstetra e a família. O profissional, mesmo baseado em evidências, só seguirá até onde a família se sentir segura pra seguir. E hoje aproveito para agradecer mais uma vez à minha parteira querida, Dra. Sônia Sallenave, por acreditar em mim e confiar no que eu sentia. Por vencer comigo seus próprios limites e esperar por João no tempo dele. Que privilégio pra nós poder viver essa experiência amparados por sua serenidade e competência!

Por fim, fica a pergunta: e se eu tivesse, como muitas mães, aceitado que um obstetra cesarista agendasse o nascimento do bebê para a 38ª semana? Como seria para esse bebê ser retirado do ventre que nutre 4 semanas, 1 mês inteiro antes de estar pronto? Do que ele seria privado? Quanto de peso, de capacidade respiratória, de aporte de ferro ele perderia? Desculpem-me a franqueza, mas cesárea eletiva sem indicação é, no mínimo criminosa para com o bebê.

Optar por uma cesárea é, no Brasil, um direito da gestante, mas ela deveria ser, no mínimo, uma cesárea intra-parto, ou seja, após o bebê sinalizar que está pronto para nascer. Mas essa conduta não se encaixa na agenda dos profissionais não é? Não dá pra pular os domingos, feriados e datas comemorativas… bebês não dão a mínima para a lógica de consumo dos hospitais e seus pacotes de hotelaria e buffet de boas-vindas. Bebês não sabem que o pai preferia que ele nascesse na segunda-feira pra juntar os míseros dias de licença maternidade com o final de semana. Eles não se importam se a avó marcou férias para ajudar a filha no pós-parto, não ligam pra nada além do fato de estarem maduros para nascer e isso, pelo menos isso, deveria ser respeitado.

“Nós combinamos com o bebê que ele vai nascer sexta-feira as 16h?
E se combinamos, ele respondeu?”
Ricardo Chaves, médico pediatra, chefe do serviço de pediatria do Hospital Universitário Pedro Ernesto e professor do departamento de pediatria da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ)
Anúncios

Um comentário sobre “Quando as 42 semanas bateram na minha porta

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s