Desmame parcial

Vou fugir um pouco da série de Introdução alimentar pra falar de outro momento importante que estamos vivendo aqui em casa: o desmame de Filipe.

filipe

Foto de Kuara Fotografia por Carolina Lube

Como já contei, eu conduzi um desmame noturno em dezembro do ano passado (se não leu, clique aqui). Eu estava fisicamente esgotada de amamentar duas crianças à noite e o desmame conduzido foi a minha tábua de salvação.

Apesar de bem difícil,  18 dias no total, o processo se consolidou e a sensação de alívio foi maravilhosa. Isso me deu coragem pra dar uns passinhos à mais nessa seara de desmame.

Ainda não falei sobre isso e prometo que um dia conto (não elaborei o evento por completo), mas com o nascimento de João, Filipe passou 4 meses e meio inteirinhos em aleitamento materno exclusivo. Não, você não está lendo errado, ele, uma criança de 2 anos, viveu de leite materno por 4 meses. Pra não falar que estou exagerando, ele mordeu um pedaço de banana ou de tapioca em alguns poucos dias.

O fato é que, euzinha, amamentei duas crianças, um bebê de meses e uma criança de mais de dois anos, exclusivamente por quatro meses ao final dos quais me vi completamente exaurida. Meu corpo clamava por trégua e minha mente puérpera já tinha elaborado todas as loucuras possíveis pra que Filipe voltasse a comer, sem sucesso.

Com o desmame noturno estabelecido, decidi que nada poderia ser mais puxado que aquelas 18 noites e encarei um desmame parcial. Filipe mamaria ao acordar e depois só após o almoço. Era minha tentativa de que ele voltasse a fazer, pelo menos, uma refeição por dia.

Assim como no desmame noturno, expliquei como ia funcionar, ele repetiu, acenou com a cabeça concordando com tudo e, no primeiro dia, chorou como se o mundo fosse acabar. No segundo, mais choro, no terceiro, só protesto e, depois de uma semana, não havia mais lamento.

Voltou a almoçar! Viva!

Minha licença maternidade acabou e chegar em casa após o trabalho era como me colocar entre a cruz e a espada. João e Filipe me aguardavam ávidos pelo peito e nenhum dos dois podia ou queria esperar a vez do outro. João porque era um bebê de 5 meses que dependia exclusivamente do peito para se nutrir. Filipe porque era um menino do auge do Terrible Two que chorava por qualquer contrariedade.

Era tenso, era desgastante, era ruim pra todo mundo. Lembrei do desmame da manhã. Tomei coragem mais uma vez e estabeleci um combinado: Filipe mamaria ao acordar e antes de dormir e não mais nesse intervalo.

Não sei se porque ele já estava entendendo melhor a maneira como as coisas se davam ou se eu estava mais segura de que o processo estava caminhando bem, de maneira amorosa, mas firme. O fato é que essa terceira etapa foi muito mais fácil que as duas anteriores.

Ao invés de choro havia argumentação. E Filipe é muito bom nesse quesito. O processo foi conduzido com leveza, muito bom humor e acolhimento.

Eu tenho aprendido, aos poucos, que assumir o lugar do adulto como guia é, muitas vezes, contrariar o desejo da criança e que isso não é ruim, nem tampouco traumático a depender da maneira como lidamos com essa contrariedade.

Tento prestar atenção ao que ele diz não apenas com palavras, mas também com comportamento. Acontece várias vezes de Filipe começar a fazer tudo o que sabe que não deve fazer ao receber a negativa para mamar. Procuro colocar em palavras o que ele sente, dizer que entendo que ele fique bravo, que é legítimo, mas que a braveza dele não pode ser descarregada em outras pessoas. Digo que pode ficar bravo, chateado ou triste, que pode gritar ou ficar sozinho se tiver vontade, mas não pode bater em pessoas ou estragar as coisas.

Aproveito para reforçar que o mamá não está disponível naquele momento, mas a mãe está. Brinco junto, acalento, dengo. Tem sido um aprendizado pra ele e pra mim descobrir novas formas de conexão que não a amamentação e confesso que dá muito mais trabalho que colocar o peito pra fora.

Estávamos assim, com duas mamadas por dia (ao acordar e antes de dormir) desde março desse ano e o próximo passo era suspender a mamada de quando o dia “crareia”, mas aí veio a maternidade real me lembrar que nada, nada está sob controle quando o assunto são filhos, mas isso é assunto pra outro post.

Por hoje, deixo vocês com as delícias dos argumentos de um menino muito persistente e astuto. Ah, conta aí como foi ou como tem sido o desmame das suas crias. Trocar figurinhas é ótimo!

Desmame diurno #1°dia

Eu na segunda-feira:
– Filipe, vc esta ficando grande, um menino. Não precisa mamar o dia todo. Agora só vai mamar quando o dia clarear e de noite, antes de dormir.

Ele, hoje, barganhando pra mamar fora do horário:
– Mamãe, eu é um menino grande pequeno. Eu é grande, mas é “Dezinho” (apelido de João) tb. Eu come, eu faz bagunça e eu mama.

Segura pra não rir, mas é difícil diante de tanta perspicácia 😂😂😂

 

 

Desmame diurno #4°dia

– Mamãe, eu pecisa mamá pq eu é pequenininho.
– Oxe, se é pequeno então vamos ter que pegar a bicicleta, o patinete, os caminhões e mandar tudo pro Gui (primo) pq só menino grande brinca com esses brinquedos.
– Eu é nenem mamãe – ele insiste.
O pai chega e diz:
– Filipe, se arrume pq vc vai descer pra brincar com o papai.
– Oba! Mamãe, eu já é gande. Eu cresci.
– Mas não era nenem agora a pouco?
– Não, eu mudei de ideia!

😱😱 2a8m com essa capacidade de reverter as circunstâncias a seu favor, sei não…

 

Desmame diurno #6°dia

No domingo, colocando Filipe pra dormir depois do almoço, ele acha que vai mamar (foi o primeiro final de semana com a mãe ao lado, mas sem o peito durante o dia).

– Filho, não. O mamá é só de noite pq você é…
– Não! Eu não é gandi!
– É sim meu amor. Você anda de bicicleta…
– Não, não anda!
– De patinete…
– Não, não anda!
– Brinca de caminhões e de terra…
– Não, não brinca!
– Sai sozinho com o papai…
– Não, não sai!
– Come sobremesa… (ele tinha comido um pedaço de pudim e, se deixasse, comia o pudim inteiro)


– Mamãe, pode ser no colo?

Veio pro colo e apagou. Tirem tudo, menos a sobremesa!!!!!!!!!!

😂😂😂

 

Desmame diurno – quase todos os dias

4:20
– Mamãe, vc qué vê que já crareou só uma pontinha?
– Filipe, clareou nada. Tá de noite filho!
– Vem vê mamainha. Tem uma pontinha já crareada… – e some atrás da cortina.

Juro, eu queria morar no ártico!!!!!!!!!

‪#‎ficalua‬
🌒🌒🌒

Anúncios

5 comentários sobre “Desmame parcial

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s