Crianças pequenas e recursos tecnológicos – a arte de cuspir pra cima

Já escrevi aqui que a maternidade vem com telhado de vidro e que julgar as escolhas de outras mães é uma má ideia. Acontece que, tendo um telhado de vidro, só sofrerei alguma avaria se outra pessoa me jogar uma pedra e o que tenho aprendido nesses últimos dois anos e oito meses é que uma segunda pessoa não é imprescindível para que meu telhado quebre. Por isso adotei agora outra expressão: cuspir pra cima. Eu cuspo e eu mesma recebo de volta, sem precisar que ninguém me aponte o dedo.

Tá achando graça? Pois é a puríssima verdade. Antes de ter filhos eu cuspi muuuuuuuito pra cima e, desde que Filipe nasceu tenho recebido de volta meus julgamentos. Nem assim tomei vergonha e parei com a prática. E eis que chega o segundo filho… ah, o segundo… Hora de receber na cabeça as cusparadas de quem só tinha um.

Quando Filipe nasceu optei por evitar ao máximo o contato dele com aparelhos tecnológicos: TV, tablet, celular, brinquedos que falam, etc. As exposições eram bem esporádicas e, durante um bom tempo, sequer existiam. É claro que isso demandava muito mais de nós, pais e cuidadores, pois entreter uma criança pequena o dia todo não é tarefa fácil.

Mesmo sendo trabalhoso, vimos os benefícios dessa escolha e as consequências da exposição aumentada. Falei sobre isso em Para ter criatividade, resiliência e coragem é preciso brincar! .

Via as crianças da idade de Filipe assistindo tablets em restaurantes e recriminava. Ouvia mães dizerem que os pequenos só ficavam quietos diante da galinha ou da porquinha e condenava. Presenciava meninos manuseando telefones celulares e balançava a cabeça. Que tipo de mãe é essa que não interage com a criança???

Então, o cuspe caiu! É o tipo de mãe que tá exausta, que deseja desesperadamente fazer pelo menos uma refeição no mês com calma, que precisa cozinhar e limpar minimamente a casa, que tem outros filhos pra cuidar.

Desde que João nasceu não saímos para comer fora só nós quatro. Há algumas semanas atrás precisei levar Filipe pra cortar o cabelo e minha fome não esperava voltar pra casa (imagine uma ogra comendo, eu!). Decidimos encarar a praça de alimentação do shopping. Meu amigo… rendeu um post: como sobreviver com 2 crianças em restaurantes (tá no rascunho, mas em breve publico). Pense na loucura! E sabe qual foi um dos itens de sobrevivência? O santo YouTube!

Enquanto me arrumo pra ir trabalhar, Sadat fica com os meninos. Aí o pai viajou. Três dias fora. Faz como minha gente? Como é que entra pro banho e deixa Filipe sozinho com João? Como é que entra pro banho com Filipe e João no box e fecha o olho pra tirar a espuma? (lembrem-se, a aceitação do mais novo ainda tá em processo por aqui). Como é que entra pro banho levando João e deixando um menino de 2a8m solto pela casa? (se você nunca teve crianças dessa idade, deixa eu te contar que eles escalam as coisas para alcançar o que querem e não tem medo de altura tá!). E mais uma vez meu amigo YouTube aparece para salvar minha vidinha.

20160323_051634[1]

Acontece meu povo, que um menino de 2a8m sabe usar uma tela touch screen melhor que um adulto e enquanto você vira as costas, ele sai do “Tube” (nome carinhoso que Filipe deu à plataforma) e manda mensagens, apaga imagens, altera todas as configurações do aparelho. Qual foi a solução? Filipe agora tem um celular 😱😱😱😱😱 (nunca na minha vida me imaginei fazendo esse tipo de afirmação antes da adolescência dele). Sim, um aparelho velho, com a bateria viciada, mas capaz de exibir os vídeos domésticos que gravamos e os vídeos de caminhões e desfiles de soldados que ele ama.

E pra não dizer que o caldo desandou de vez, restou-me estabelecer limites porque o uso de telas perto da hora de dormir acarreta em terror noturno aqui em casa. A regra é: só assiste de manhã. Isso é, até que eu precise da tela em outro horário. Porque aqui em casa não é democracia, eu faço as regras e eu as mudo, conforme minha conveniência  e cuspa quem quiser, só não se esqueça de que tá direcionando pra cima, tá?

😂😂😂😂😂😂😂😂

Anúncios

7 comentários sobre “Crianças pequenas e recursos tecnológicos – a arte de cuspir pra cima

  1. Estou rindo muito com esse post. E aqui em casa aconteceu exatamente assim. Desde pequeno meu filho que hoje tem 5 anos, o que acalmava ele um pouco, pra eu conseguir tomar um banho rsrs era os vídeos do tablet. Então, hoje tento limitar os horários, mas mesmo assim sempre que preciso ir a uma consulta, ou lugares que é muito chato pra nos adultos, imagine pra eles… Eu sempre levo na bolsa. Muito interessante esse texto!!

    Curtir

  2. é isso msm amiga. gosto da sinceridade e honestidade c/ q vc trata as ciosas. minha irmã teve q aderir aos dvds, e aí recomendo Os Vegetais, q tem liçoes bíblicas e os c/ musiquinhas cristãs q chama Três Palavrinhas. se vamos ter q nos render q seja c/ dignidade, q a gente use o tempo p/ reafirmar e ensinar os valores q nos sao tao preciosos. pq p/ “desensinar”, desencaminhar e destruir o mundo taí, feroz, aguardando pelos pequenos!

    Curtir

  3. kkkkkkkkkk, Gente do céu!!!! quantas vezes juguei minha irmã e tantas outras por deixarem as crianças ligadas na galinha. Até que chegou o dia em que ela viajou e tive que ficar com meus dois sobrinhos em casa, então o cuspi também caiu srsr, e mesmo com o auxílio da babá, tive que utilizar o bendito Youtub.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s